Portuguese PT English EN Spanish ES Italian IT

Hiperoxalúrias Primárias (HP)

O que são as hiperoxalúrias primárias (HP)?

As hiperoxalúrias primárias (HP) são um grupo de doenças genéticas raras que levam à superprodução de oxalato no fígado.5 A forma mais grave de HP é a hiperoxalúria primária tipo 1, que representa aproximadamente 70% a 80% de todos os casos.2,5,6 As complicações da HP1 podem ser fatais.4 Frequentemente caracterizada por cálculos renais, a doença genética progressiva é causada por mutações no gene AGXT que tornam a enzima hepática alanina-glioxilato aminotransferase (AGT) disfuncional.5 Normalmente, a AGT converte o glioxilato, que é gerado por outra enzima hepática, a glicolato oxidase (GO).4,5

Estima-se que a HP1 afete 1-3:1.000.000 de indivíduos na Europa e nos Estados Unidos, com uma prevalência maior no Oriente Médio e na região norte da África.1,3-5

Os tipos de HP

Existem três tipos de hiperoxalúria primária: tipo 1 (HP1), tipo (HP2) e tipo (HP3), cada uma delas causada por um defeito numa enzima diferente.3 A HP1 frequentemente se apresenta com cálculos renais e é causada por um defeito na enzima alanina-glioxilato aminotransferase (AGT), específica do fígado.1,3 A AGT tem como função converter o glioxilato, gerado pela enzima hepática glicolato oxidase (GO), em glicina.2,3

O Diagnóstico

Embora dados de prevalência sejam limitados, estima-se que aproximadamente 50% dos pacientes com HP1 podem não estar diagnosticados devido ao baixo índice de suspeição da doença.7 Estratégias para atenuar a doença podem diminuir os danos através da redução da formação de cálculo e deposição renal de cristais de oxalato de cálcio; isso ressalta a importância do diagnóstico e da intervenção precoces.3,8

Os testes para diagnosticar a HP1

Diagnosticar e manejar a hiperoxalúria primário tipo 1 (HP1) o quanto antes pode mitigar os danos.1-5 A avaliação do oxalato urinário e o teste genético são os métodos atuais para a descoberta da HP1.1,2

Teste de urina de 24h1,2,6

  • Indicado para pacientes cujas condições ainda não progrediram para doença renal em estágio terminal (DRET);2
  • Pode ajudar a aumentar a suspeita de HP1 através da medição de níveis elevados de oxalato, que é uma característica bioquímica da doença.1,2,6

Teste genético1,2,6

  • Indicado para todos os pacientes a despeito do estado renal;2
  • Pode estabelecer o diagnóstico de HP1 com alta sensibilidade e especificidade;7
  • Se seu paciente tem um histórico familiar de HP1, o teste genético pode confirmar o diagnóstico.2,8

O teste genético para confirmar o diagnóstico de HP1 é recomendado pela Academia Americana de Urologia (AUA – American Urological Association) e pelo Consórcio Europeu de Hiperoxalúria OxalEurope.2,6

As manifestações clínicas da HP1

Cálculos renais recorrentes num adulto, qualquer cálculo renal em crianças, nefrocalcinose, e insuficiência renal podem ser sinais de uma doença metabólica litiásica, como a hiperoxalúria primária tipo 1 (HP1).1 A HP1 é uma doença heterogênea.1,5 Em qualquer idade, os pacientes podem apresentar uma ou mais das seguintes manifestações:1,6

  • Cálculo renal em crianças;1
  • Urolitíase recorrente;5
  • Histórico familiar de cálculos;3
  • Nefrocalcinose;3,5,7
  • Declínio progressivo da função renal de causa desconhecida, que comumente progride para doença renal em estágio terminal (DRET);3,5,7
  • Déficit pôndero-estatural na infância;1
  • Embora os cálculos renais sejam a manifestação clínica mais comum, pode haver pacientes com HP1 que não sejam formadores de cálculos.1.7

A HP1 em números

  • 50% dos pacientes com HP1 podem não estar diagnosticados, embora dados de prevalência sejam limitados;10
  • 5,5 anos é o tempo de atraso mediano em adultos entre o início das manifestações clínicas e o diagnóstico;15
  • Até 70% dos diagnósticos em adultos ocorrem após a progressão para DRET.4,8,12-14

O Tratamento

As estratégias para atenuar a doença podem diminuir os danos através da redução da formação de cálculos e da deposição renal de cristais de oxalato de cálcio, ressaltando a importância do diagnóstico e da intervenção precoces.1-3 As opções para o manejo clínico objetivam retardar o declínio progressivo da função renal por meio da atenuação da deposição de cristais de oxalato de cálcio e da formação de cálculo.2,4,5

Hiperidratação:2

  • Ingestão hídrica diária recomendada: mais de 2-3 L/m2 de superfície de área corpórea;2
  • Sonda de gastrostomia pode ser necessária para garantir urina constantemente diluída em lactantes ;2
  • Terapia com altas doses de piridoxina (vitamina B6) e inibidores da cristalização do oxalato de cálcio, tais como citrato alcalino;4-6
  • Muito poucos pacientes com HP1 respondem completamente à vitamina B6 e um subgrupo de pacientes demonstra uma resposta parcial, embora os dados sejam limitados, com apenas 1 estudo prospectivo publicado até o momento (n=12).4-6

O transplante hepático na resolução do defeito metabólico subjacente5

O transplante hepático aborda o defeito que causa a conversão do glioxilato – um composto orgânico gerado pela enzima GO – em oxalato.5 Este procedimento possui morbidade e mortalidade significativas.2,4,5 Com o declínio da função renal, um transplante renal pode ser necessário juntamente com um transplante hepático.4,5 Embora eficaz em bloquear a superprodução de oxalato, existem complicações clínicas significativas associadas ao transplante, incluindo trombose de veia renal, funcionamento tardio e rejeição do enxerto.11

Uma taxa de sobrevida de 67 % em cinco anos foi relatada para pacientes com HP1 que foram submetidos a transplante duplo fígado-rim, e de 45 % para aqueles que têm condições agravadas com oxalose sistêmica.12,13 As crianças com HP1 que receberam um transplante duplo fígado-rim tiveram uma taxa de sobrevida em um ano de 89%.14 A sobrevida em cinco anos para crianças com HP1 é estimada em 75% após transplante fígado-rim.15 Depois do transplante duplo fígado-rim, os depósitos de oxalato podem, eventualmente, diminuir.4,12

As pesquisas em andamento

Devido à natureza progressiva, o diagnóstico e manejo precoces são cruciais na HP1.4,17

Organizações Profissionais e de Apoio

Referências:

  1. Raju DL, Cantarovich M, Brisson ML, Tchervenkov J, Lipman ML. Am J Kidney Dis. 2008;51(1):e1-e5.
  2. Cochat P, Rumsby G. N Eng J Med.2013;369(7):649-658.
  3. Hoppe B. Nat Rev Nephrol. 2012;8(8):467-475.
  4. Milliner DS, Harris PC, Cogal AG, Lieske JC. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1283/. Updated November 30, 2017. Accessed October 16, 2019.
  5. Cochat P, Hulton SA, Acquaviva C, et al. Nephrol Dial Transplant. 2012;27(5):1729-1736.
  6. Hoyer-Kuhn H, Kohbrok S, Volland R, et al. Clin J Am Soc Nephrol. 2014;9(3):468-477.
  7. Cochat P, Fargue S, Harambat J. Curr Opin Organ Transplant. 2010;15(5):590-593.
  8. Plumb TJ, Swee ML, Fillaus JA. Am J Kidney Dis. 2013;62(6):1155-1159.
  9. Liebow A, Li X, Racie T, et al. J Am Soc Nephrol. 2017;28(2):494-503.
  10. Cochat P. Kidney Int. 1999;55(6):2533-2547.
  11. Khalil MAM, Tan J, Khan TFT, Khalil MAU, Azmat R. Int Sch Res Notices. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28752128. Published July 2, 2017. Accessed October 16, 2019.
  12. Bergstralh EJ, Monico CG, Lieske JC, et al. Am J Transplant. 2010;10(11):2493-2501.
  13. Jamieson NV. Am J Nephrol. 2005;25(3):282-289.
  14. Perera MT, McKiernan PJ, Sharif K, et al. Transplantation. 2009;87(10):1584-1589.
  15. Gagnadoux MF, Lacaille F, Niaudet P, et al. Pediatr Nephrol. 2001;16(12):946-950.
  16. Hoppe B, Beck BB, Milliner DS. Kidney Int. 2009;75(12):1264-1271.
  17. Le Dudal M, Huguet L, Perez J, et al. J Clin Invest. 2019;129(6):2571-2577.
  18. Kaufman DW, Kelly JP, Curhan GC, et al. J Am Soc Nephrol. 2008;19(6):1197-1203.
  19. Albert A, Tiwari V, Paul E, et al. J Enzyme Inhib Med Chem. 2017;32(1):426-433.
  20. Lai C, Pursell N, Gierut J, et al. Mol Ther. 2018;26(8):1983-1995.

PH1-BRA-00035

A opinião dos articulistas e especialistas não reflete, necessariamente, a opinião da Conecta Saúde. | ©2020 Muitos Somos Raros - Conecta Saúde - Todos os direitos reservados.