Acromegalia

O que é Acromegalia

A acromegalia caracteriza-se pela produção anormal, em excesso, do hormônio de crescimento (GH) em adultos. Em crianças e adolescentes, ainda em fase de crescimento, esta produção excessiva provoca o gigantismo.

A acromegalia é mais comum entre 40 e 50 anos de idade, tanto em homens como em mulheres. Como em adultos não há aumento linear dos ossos o que acontece é aumento de partes moles e cartilagens o que acarreta alargamento dos dedos das mãos e dos pés, aumento do calcanhar o que leva ao aumento do número do calçado. Na face o aumento da fronte, queixo proeminente e aumento dos espaçamentos dos dentes são características comuns nos pacientes com acromegalia.

 

Causa

Em geral, a acromegalia é causada pela presença de um tumor benigno na glândula pituitária, que se localiza logo abaixo do cérebro. Esta glândula controla a produção e a liberação de diversos hormônios, entre eles o do crescimento. Na maioria das vezes, o problema surge de forma esporádica. Em alguns casos, porém, ele pode ser consequência de algumas síndromes que têm histórico familiar.

 

Sinais e Sintomas

Os principais sintomas da acromegalia são: embrutecimento a da face, aumento das mãos e pés, dores articulares formigamento nas mãos, suor excessivo, apnéia do sono, espessamento da pele com aumento da oleosidade e diabetes.

 

Tratamento

O tratamento cirúrgico da acromegalia visa à retirada do tumor na glândula pituitária. Quanto menor o tumor, maiores as chances de cura, nas mãos de cirurgião experiente. Quando não ocorre a cura com a cirurgia, o tratamento com remédios é instituído. Há ainda a opção da radioterapia, para pacientes cuja acromegalia não é controlada por tratamento cirúrgico ou medicamentoso.

 

Que especialista procurar

Endocrinologista (experiente em neuroendocrinologia), endócrino-pediatra (em caso de suspeita de gigantismo), neurocirurgião especializado em cirurgias de hipófise

Fonte: Livro Doenças Raras de A a Z- Instituto Vidas Raras/ Federação das Doenças Raras de Portugal (Fedra)

© Copyright 2017 Muitos Somos Raros